quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

Energia Solar ... para relembrar alguns "esquecidos"

Tal como tinha escrito na minha mensagem anterior que iria dedicar este blog especialmente à Energia Solar, hoje decidi construir uma imagem gráfica recorrendo a fotos obtidas no site da Censolar - Centro de Estudios de la Energia Solar - ao qual se acede digitando na barra de endereços www.censolar.org porque me parece pelas últimas notícias de que tenho conhecimento que as "forças de bloqueio" estão a tentar travar o seu desenvolvimento através de medidas burocráticas que encarecem a sua produção, seja impondo limites máximos de quantidade de energia obtida a partir da fonte "Sol", seja impondo taxas exorbitantes para a aprovação dos projectos que visam um aproveitamento intensivo da energia solar fotovoltaica, seja propondo subsídios irrealistas que a princípio parecem um incentivo ao investimento na solar fotovoltaica, mas que na prática se transformam num argumento a favor daqueles que se opõem a esta forma limpa de produção de energia electrica.
Investir na solar fotovoltaica é uma opção de fundo, estratégica cujos efeitos práticos serão visíveis num período de alguns anos (talvez uns 5 a 10 anos) que não se coaduna com oportunismos de lucro imediato.
Se as grandes produtoras de energia preferem investir noutras fontes que não o Sol, pelo menos que os governos responsáveis não desincentivem aqueles que dispondo de meios (leia-se capital) e de vontade para investir na energia solar, se vêem constrangidos por dificuldades de ordem burocrática.
Segundo notícias de que tenho tido conhecimento alguns construtores de automóveis associados a outras empresas já têm em marcha projectos que visam aproveitar a energia do Sol para satisfazer uma parte das necessidades energéticas dos veículos e não me consta que estejam a reivindicar benefícios fiscais apenas por esse facto, contrariamente a outros que se propõem construir veículos electricos recorrendo a baterias "convencionais" mas que exigem isenções fiscais que se vão repercutir nos Orçamentos dos Estados, esquecendo que as baterias "convencionais" também criam problemas de ordem ambiental quando atingem o seu limite de vida útil. Na minha opinião, estas isenções fiscais são uma forma camuflada para obter quotas de mercado, distorcendo a concorrência no mercado global.
Por hoje fico-me por aqui.
Até uma próxima oportunidade de ...

Sempre Te Espero